Pomo de Ouro

(Saga Harry Potter): o Pomo de Ouro é uma bolinha minúscula, dourada e alada, cuja função em um jogo de quadribol, é fugir do apanhador. Ela é muito difícil de ser capturada e, às vezes, parece ter vida própria. O apanhador passa o jogo inteiro voando atrás dela no intuito de pegá-la. Quando consegue, ganha para a sua equipe 150 pontos. Isso por que a missão é árdua.

Explicado isso, estes dias estava pensando em nossos sonhos e metas de vida. Qual ou quais são os nossos Pomos de Ouro? O que queremos muito e temos que lutar para conquistar? Quando temos um objetivo voamos incansavelmente atrás dele, mesmo que, às vezes, pareça fugir ou escapar entre nossos dedos. É o famoso ‘quase’.

Mas, em compensação, sem uma meta clara, podemos simplesmente ficar parados, no ar, esperando que este sonho/meta chegue perto o suficiente para que nós possamos alcançá-lo sem grandes dificuldades. É a ‘lei do menor esforço’. Um voo longo, atravessando o campo a toda velocidade pode ser substituído por uma simples guinada de rumo, com foco há poucos metros (zona de conforto?).

Mas, quando alguém que passou o jogo inteiro voando de um lado para o outro, atravessando o campo, subindo, descendo, procurando, conseguir capturar o pomo, alguém ainda pode dizer que esta pessoa teve sorte, sem perceber todo o esforço dedicado por ela para a conquista daquele objetivo. E nós, que ficamos no lugar, esperando, podemos não ter a ‘sorte’ do outro jogador, que, coincidentemente, estava mais perto do pomo do que nós.

Às vezes, podemos passar longos períodos em busca do nosso Pomo de Ouro (que podem ser metas relacionadas com família, dinheiro, sonhos) e não alcançá-lo. Porém, ao menos, lutamos bravamente para conquistá-lo: prefiro isso a ficar sentada, esperando que algo aconteça. E tenho a certeza de que cada Pomo de Ouro capturado vale todo esforço.