Melhor pai

Por que meu pai é assim. Sempre me protegendo: no dia do casamento, abriu a porta do carro e segurou o guarda-chuva para eu não me molhar. Neste dia, ele estava de braço dado comigo, esperando a porta ser aberta para encarar minha próxima aventura. Foi ele que, com passos decididos, me manteve firme ao seu lado e me deixou mais segura. Eu tinha a opção de estar sozinha quando a porta abrisse, mas eu não quis. Como assim encararia tudo aqui sozinha? Quem estaria comigo naqueles breves instantes de ansiedade?

Nós estávamos rindo e nos divertindo. Algumas noivas estariam surtando. Mas, na verdade, tudo fica mais fácil quando se tem uma dupla desta. E esse é um momento de alegria, parceria e proteção que se repetiu infinitas vezes antes desse dia. Como na vez em que ele descascou o ovo para que eu não engolisse nenhuma casquinha. Ou perguntou, quando eu passei no concurso dos bombeiros “se eu faria todas aquelas coisas perigosas que o Fábio tinha feito”. E depois do casamento quando, no telefone, pergunta se eu estou feliz e se o Maurício é um bom marido. É por todas estas coisas que ele é o melhor pai do mundo ❤

Vida zerada

Eu sempre tenho uma “To do List”, seja no trabalho, em casa, assuntos pendentes, passeios, lugares para conhecer… (quem nunca?). No trabalho, assim que resolvo uma missão, outras duas novas surgem. Algumas são feitas rapidamente. Já outras demoram o equivalente a séculos por diversos motivos – que nem sempre dependem de mim, diga-se de passagem. Em relação a estas, aprendi que tudo acontece no seu tempo e que nem sempre eu tenho como acelerá-lo.

Mas, estes dias eu estava pensando que, na verdade, estas listas nunca vão zerar. Nunca vai acontecer de eu terminar tudo que tenho para fazer. E sabe por quê? Por que estou viva. A nossa vida é mutante e evolui todos os dias. O mundo, todos os dias, nos apresenta situações inusitadas e novas tendências. Se tudo ficasse parado e fosse estático, qual seria a graça? Assim, é impossível termos uma “lista da vida” zerada.

Por que depois que terminarmos a nossa lista atual (digamos a de curto prazo), sempre terá um lugar novo, uma comida diferente, um restaurante que abriu, um livro que alguém nos sugeriu ou algo diferente que nos desperta a imaginação. E coisas que não nos atraem hoje podem nos atrair daqui a algum tempo, depois de termos novas experiências e um pouco mais de maturidade. Assim, sempre teremos algo novo para fazer. Iremos fazer novos amigos, conversar sobre assuntos diferentes. Todos os dias quando acordamos já somos diferentes. E se mudamos de ideia a curto prazo, quem dirá a longo.

E pensando bem, qual seria a graça de uma vida zerada? Uma casa pronta, sem novas ideias, novos planos? Estaríamos estagnados, sem coisas que nos motivassem a nos mexermos e sairmos do lugar. Talvez por algum tempo estivéssemos satisfeitos. Mas, quanto tempo duraria essa realização? A sensação de fazer algo novo pela primeira vez é tão positiva que, em breve, enjoaríamos de não fazer nada diferente.

E você, que nunca pensou em estudar alemão, viajar para a China ou experimentar uma comida árabe, talvez se interesse por estes novos assuntos. Talvez você conheça alguém que pediu licença do trabalho e foi para um lugar que você nunca ouviu falar. Quem sabe, um restaurante recém aberto na esquina da sua casa, o qual você nunca reparou, te chame atenção e você resolva entrar. E assim, todos os dias, iremos incrementando nossas listas de coisas a fazer, que, afinal, sempre nos motivam a novas descobertas e experiências.